Ecotoxicidade aguda dos combustíveis: diesel S10, S500, biodiesel e misturas comerciais utilizando Artemia sp. como indicador

  • Antonio Araãn Jambeiro Brandão FTC
  • Ana Clara Silva Brandão UNINASSAU
  • Luis Cesar Maffei Sartini Paulillo FTC
  • Taila Tamille dos Santos UNINASSAU
  • Gabriel Barroso Almeida UNINASSAU
  • Rafael de Lima Sales UNINASSAU
  • Marlene Campos Peso-Aguiar UFBA

Abstract

O objetivo deste trabalho foi avaliar a toxicidade aguda das FSA dos combustíveis fóssil S500, S10, Biodiesel, e misturas comerciais (B10), tendo a Artemia sp. como organismo teste. Essa avaliação foi realizada através da exposição de náuplios fase II e III - 48 horas vida, por um período de 24-48h, em concentrações de 5, 10, 22, 46 e 100% de FSA e analisada a CL50 e CL90. Os resultados obtidos demonstram que os combustíveis que apresentaram maior toxicidade foram os fósseis S500 com CL50- 24h 8,5 % de FSA e CL90- 24h 29,4% de FSA, seguido do S10, que apresentaram a mesma concentração de letalidade para o CL50- 24h e CL90- 24h de 12% ± 3, seguido das misturas S10+B100 com CL 50- 24h - 15,2 % de FSA e CL90- 24h 32, 6%, e do S500+B100 com CL 50- 24h 39% de FSA e CL90- 24h 64,7% FSA. O biodiesel não apresentou toxicidade significava na exposição por 24h. Após 48h de exposição, todos os combustíveis apresentaram elevada toxicicidade nos organismos avaliados. Os resultados demonstraram que em 24 horas, os combustíveis mais tóxicos são os fósseis, sendo o S500 mais tóxico que o S10, quando adicionado de biodiesel o S10+B100 torna-se mais tóxico que o S500+B. Após 48h, todos os combustíveis apresentaram toxicidade elevada.

References

ANP, Biodiesel, Disponível em: http://www.anp.gov.br/biocombustiveis/biodiesel. Acessado em: 20 out. 2018
BRASIL. Lei N° 11.097, DE 13 DE JANEIRO DE 2005. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11097.htm>. Acesso em: out. de 2018.
BRASIL. LEI Nº 13.576, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2017. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13576.htm>. Acesso em: out. de 2018.
CETESB – Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Norma Técnica L5.021. Água do mar – Teste de toxicidade aguda com Artemia: método de ensaio. São Paulo, 1991.
CORTAS, Laila C.; TEIXEIRA, Roberta M.; VISCARDI, Sergio LC. AVALIAÇÃO DA TENDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO DE ÁGUA DO DIESEL S10 E DIESEL S500 E SUAS MISTURAS COM BIODIESEL ATRAVÉS DO MÉTODO DA DEMULSIBILIDADE. Blucher Engineering Proceedings, v. 2, n. 1, p. 28-38, 2015.
KNIE, Joachim LW et al. Testes ecotoxicológicos: métodos, técnicas e aplicações. FATMA/GTZ, 2004.
LEITE, Rogério Cezar de Cerqueira; LEAL, Manoel Régis LV. O biocombustível no Brasil. Novos estudos-CEBRAP, n. 78, p. 15-21, 2007.
NETO, Pedro R. Costa et al. Produção de biocombustível alternativo ao óleo diesel através da transesterificação de óleo de soja usado em frituras. Química nova, v. 23, n. 4, p. 531-537, 2000.
PAIXÃO, Joana Fidelia da.Avaliação Ecotoxicológica de gasolinas e componentes: subsídios à seleção de formulações mais ecocompatíveis. 2005. Dissertação de Mestrado.
PETROBRÁS. Ficha de Informação de segurança de Produto Químico – FISPQ. Disponível em: http://www.br-petrobras.com.br/wcm/connect/f7fcb00a-b9a5-4984-ab82-1e3af48e5bae/fispq-comb-oleodiesel-auto-oleodiesel-s10.pdf?MOD=AJPERES&CVID=mbeHnRv&CVID=mbeHnRv&CVID=mbeHnRv. Acesso em: out. 2018
SANTOS, Fernando A. Biocombustíveis: prós e contras. UTAD Publicações, 2010. SANTOS, 2013).
USEPA - United States Environmental Protection Agency. A Comprehensive Analysis of Biodiesel Impacts on Exhaust Emissions. Air and Radiation – EPA 420-P-02-001, 2002b.
ZIOLLI, Roberta L .; JARDIM, Wilson F. Problemas operacionais relacionados à preparação da fração solúvel em água do óleo cru. Revista de Monitoramento Ambiental , v. 4, n. 1, p. 138-141, 2002.
Published
2021-05-28
How to Cite
Brandão, A. A. J., Brandão, A. C. S., Paulillo, L. C. M. S., dos Santos, T. T., Almeida, G. B., Sales, R. de L., & Peso-Aguiar, M. C. (2021). Ecotoxicidade aguda dos combustíveis: diesel S10, S500, biodiesel e misturas comerciais utilizando Artemia sp. como indicador, 14(2), 46-54. https://doi.org/10.22280/revintervol14ed2.425
Section
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS II (FARMACOLOGIA - TOXICOLOGIA)