Análise quantitativa das sorologias das Hepatites B e C em 2017, em uma capital do Nordeste

  • Emannuelle Pessoa Costa Pessoa Costa Faculdade de Ciências Médicas (FACIME) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI).
  • Hitalo Roberto de Araújo Coêlho Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
  • Alice Januário Guedes Fernandes Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
  • Jéssica Ohana de Alencar Ferraz Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
  • Laísa Sheffany da Cruz Silva Moura Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
  • Lara Kamylla Queiroz Silva Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
  • Luana Nascimento da Silveira Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
  • Mariana de Andrade Sousa Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
  • Suyene Maria Lima de Souza Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
  • Fabiano Vieira da Silva Fiocruz.
  • Herion Alves da Silva Machado Hospital de Urgência de Teresina.
  • Rosemarie Brandim Marques Universidade Estadual do Piauí - UESPI.
  • Liline Maria Soares Martins Universidade Estadual do Piauí - UESPI.

Abstract

As Hepatites Virais dos tipos B e C são uma preocupação constante de saúde pública, devido às suas manifestações agudas e possibilidade de cronificação. Muito se fala sobre as melhores formas de se dar seguimento a um paciente diagnosticado com Hepatite Viral, porém pouco se aborda sobre a eficácia e as rotinas de diagnósticos que são realizadas, as quais refletem na observação de casos de subnotificação e cronificação de quadros agudos que, caso tivessem adequado diagnóstico e tratamento, poderiam não se direcionar para a cronificação. Foram analisados 4.294 exames sorológicos realizados em laboratório de referência em Teresina-Pi. Dos exames analisados, 3.333 eram de avaliação imunológica (bancada), enquadrando-se como as pesquisas de rotina no caso de pacientes com quadros clínicos e epidemiológicos compatíveis. Dos 4.294, 3.248 foram dados como não reagentes, figurando uma alta taxa de não diagnóstico. Os resultados do presente estudo nos permitem concluir que há uma deficiência significativa na atualização de dados nos meios oficiais de acesso aos mesmos, evidenciando uma demonstração destoante da realidade epidemiológica da cidade de Teresina (PI) em relação aos casos de Hepatite B e Hepatite C.

Author Biographies

Emannuelle Pessoa Costa Pessoa Costa, Faculdade de Ciências Médicas (FACIME) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI).
Aluna de Medicina/UESPI.
Hitalo Roberto de Araújo Coêlho, Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
Aluno de Medicina/UESPI.
Alice Januário Guedes Fernandes, Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
Aluna de Medicina/UESPI.
Jéssica Ohana de Alencar Ferraz, Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
Aluna de Medicina/UESPI.
Laísa Sheffany da Cruz Silva Moura, Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
Aluna de Medicina/UESPI.
Lara Kamylla Queiroz Silva, Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
Aluna de Medicina/UESPI.
Luana Nascimento da Silveira, Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
Aluna de Medicina/UESPI.
Mariana de Andrade Sousa, Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
Aluna de Medicina/ UESPI.
Suyene Maria Lima de Souza, Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI.
Aluna de Medicina/UESPI.
Fabiano Vieira da Silva, Fiocruz.
Doutorando em Medicina Tropical - FIOCRUZ.
Herion Alves da Silva Machado, Hospital de Urgência de Teresina.
Médico infectologista e intensivista do HUT.
Rosemarie Brandim Marques, Universidade Estadual do Piauí - UESPI.
Professora Dedicação Exclusiva.
Liline Maria Soares Martins, Universidade Estadual do Piauí - UESPI.
Professora Efetiva da UESPI.

References

ABREU, A. C. C. et al. Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Hepatite B e C do Piauí. Revista Interdisciplinar. 2013.

ARAÚJO, Telma Maria Evangelista et al. Prevalência de Hepatite B em usuários do Laboratório Central do Piauí. Revista de Enfermagem UERJ. Rio de Janeiro. 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde – Secretaria de Vigilância em Saúde – Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV). Boletim Epidemiológico - Hepatites Virais 2018. acesso em 03 Dez. 2018

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação Geral de Desenvolvimento de Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume único. 2º ed. Brasília. Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. O Manual Técnico para o Diagnóstico das Hepatites Virais. – Brasília : Ministério da Saúde, 2015.

FRANCO, Guilherme et al. Vigilância em Saúde brasileira: reflexões e contribuição ao debate da 1a Conferência Nacional de Vigilância em Saúde. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2017. [Acessado 8 Dezembro 2018]. Disponível em: .

HEIAT, M.; RANJBAR, R.; ALAVIAN, S. M. Classical and modern approaches used for viral hepatitis diagnosis. Hepatitis monthly. 2014.

JEFFERIES, Meryem; RAUFF, Bisma; RASHID, Harunor; LAM, Thao; RAFIQ, Shafquat. Update on global epidemiology of viral hepatitis and preventive strategies. World Journal of Clinical Cases. 2018.

MATHEW, B. C.; BIJU, R. S.; THAPALIA, N. An overview of electrochemiluminescent (ECL) technology in laboratory investigations. Kathmandu University medical journal (KUMJ), 2005.

OLIVEIRA, Gesner. Vale a pena controlar todas as fusões? Folha de S. Paulo, São Paulo, 25 nov. 2000. Folha Dinheiro.

TAVARES, Walter; CARNEIRO MARINHO, Luis Alberto (Org.). Rotinas de Diagnóstico e Tratamento das Doenças Infecciosas e Parasitárias. 4ª edição. ed. São Paulo: Atheneu, 2015.

VERONESSI, Ricardo; FOCACCIA, Roberto. Tratado de Infectologia. 5ª edição. ed. São Paulo: Atheneu, 2015.

WHO. Global Hepatitis Report 2017. Geneva: World Health Organization; 2017.
Published
2019-10-30
How to Cite
Costa, E. P. C. P., Coêlho, H. R. de A., Fernandes, A. J. G., Ferraz, J. O. de A., Silva Moura, L. S. da C., Silva, L. K. Q., da Silveira, L. N., Sousa, M. de A., de Souza, S. M. L., da Silva, F. V., da Silva Machado, H. A., Marques, R. B., & Martins, L. M. S. (2019). Análise quantitativa das sorologias das Hepatites B e C em 2017, em uma capital do Nordeste, 12(3), 14. https://doi.org/10.22280/revintervol12ed3.423