Toxicidade aguda da dipirona sódica in vitro utilizando o bioindicador de toxicidade Artemia salina Leach.

  • Barhbara Brenda Dias Garcez Universidade Estadual do Piauí
  • Eduardo Carreiro Universidade Estadual do Piauí
  • Maiara Carvalho Nogueira Universidade Estadual do Piauí
  • Neiralice da Silva Macêdo Universidade Estadual do Piauí
  • Suzane Lise da Silva Nascimento Universidade Estadual do Piauí
  • Jurandy do Nascimento Silva Universidade Federal do Piauí
  • Rosemarie Brandim Marques Faculdade de Ciências Médicas (FACIME) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI).

Abstract

Estima-se que a automedicação atinja cerca de oitenta milhões de brasileiros e a dipirona é um dos analgésicos mais utilizados, entretanto esse fármaco pode causar conhecidas reações adversas como agranulocitose, nefrite intersticial, hepatite, alveolite, pneumonite e doenças cutâneas graves como síndromes de Seteves-Johnson e de Lyell, sendo motivo de restrição desse fármaco em muitos países. Dessa forma, o presente estudo visa analisar através de um estudo do tipo experimental, com abordagem quantitativa e descritiva, avaliar a toxicidade e identificar a concentração Letal 50% (CL50) da dipirona sódica gotas referência e da genérica, ambas disponíveis comercialmente e produzidas no Brasil, comparando-as entre si. Realizou-se o ensaio de letalidade em Artemia salina de acordo com a metodologia descrita por Meyer (1982), com algumas modificações. Com a realização do teste de toxicidade em Artemia salina, para a dipirona genérica, a CL50 obtida após 24 horas foi de 986,9 µg/mL. Já a dipirona de referência apresentou CL50 de 654,1 µg/mL. Diante da análise da presente pesquisa, constatou-se que a dipirona de referência apresentou indícios de toxicidade em naúplios do microcrustáceo Artemia salina apresentando uma CL50 ≤ 1000µg/mL. A dipirona genérica apresentou uma CL50 ≤ 1000µg/mL com intervalo acima de 1000 ug/mL indicando atoxicidade para essa amostra.

Author Biographies

Barhbara Brenda Dias Garcez, Universidade Estadual do Piauí
Graduanda de Medicina
Eduardo Carreiro, Universidade Estadual do Piauí
Graduando de Medicina
Maiara Carvalho Nogueira, Universidade Estadual do Piauí
Graduanda de Medicina
Neiralice da Silva Macêdo, Universidade Estadual do Piauí
Graduanda de Medicina
Suzane Lise da Silva Nascimento, Universidade Estadual do Piauí
Graduanda de Medicina
Jurandy do Nascimento Silva, Universidade Federal do Piauí
Doutorando em Biotecnologia
Rosemarie Brandim Marques, Faculdade de Ciências Médicas (FACIME) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI).
Professora efetiva da UESPI

References

ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Painel internacional de avaliação da segurança da dipirona. 2001. Disponível em: < http://portal.anvisa.gov.br/> . Acesso em: 01/08/2017
BEDNARCZUK, V.O. et al. Testes in vitro e in vivo utilizados na triagem toxicológica de produtos naturais. Visão Acadêmica. Curitiba, v. 11, n. 2, p. 44, jul/dez 2010.
BRASIL, 1999. Lei n.º 9787, de 10 de fevereiro de 1999. Altera a lei n.º 6360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, DF, 11 fev. 1999. Seção 1, 4 p
CAVALCANTE, Ana Amélia et al. Avaliação da toxicidade, citotoxicidade, mutagenicidade e genotoxicidade da dipirona sódica e do paracetamol em células meristemáticas de raízes de Allium cepa. Boletim Informativo Geum, v. 6, n. 4, p. 7-15, 2015.
CORREA, Bárbara Soares et al. Avaliação da Função Renal e Alterações Morfológicas em Ratos Tratados com Dipirona em Diferentes Doses. Journal of Health Sciences, v. 18, n. 1, p. 32-36, 2016.
PUGENS, A.M.; DONADUZZI, C.M. ; MELO, E.B. Controle de qualidade total e equivalência farmacêutica de três apresentações de captopril. Revista Eletrônica de Farmácia. Vol. V (1), 32-45, 2008. Disponível em: Acesso em: 02/08/2017.
TEIXEIRA, D. A., et al. Avaliação do controle de qualidade da dipirona sódica: de referência, similar, genérica e manipulada, comercializadas no municipio de teófilo- otoni, mg. Revista Multidisciplinar do Nordeste Mineiro – Nov. 2016. Disponível em: < http://www.unipacto.com.br/revista2/arquivos_pdf_revista/revista2016_2/9.pdf>. Acesso em 01/08/2017.
VALE, N. Desmistificando o Uso da Dipirona. Rio de Janeiro: Sociedade de Anestesiologia do Estado do Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: < http://www.associacaoamigosdagrandeidade.com/wp-content/uploads/filebase/artigos/ NILTON%20DO%20VALE%20%20Desmistificando%20o%20Uso%20da%20Dipirona.pdf> Acesso em: 02/08/2017.
WANNMACHER, L. Paracetamol versus Dipirona: como mensurar o risco? Vol. 2, Nº5 Brasília, abril de 2005. Disponível em: < http://www.saudedireta.com.br/docsupload/1340026793novo_paracetamol.pdf> Acesso em 01/08/2017.
Published
2018-06-22
How to Cite
Garcez, B. B. D., Carreiro, E., Nogueira, M. C., Macêdo, N. da S., Nascimento, S. L. da S., Silva, J. do N., & Marques, R. B. (2018). Toxicidade aguda da dipirona sódica in vitro utilizando o bioindicador de toxicidade Artemia salina Leach, 11(2). https://doi.org/10.22280/revintervol11ed2.362