Risco ocupacional com anestésico inalatório: uma discussão a partir da opinião da classe médica

  • Francisco Rogério de Araújo Melo Filho Faculdade Integral Diferencial - FACID/DEVRY
  • Ricardo Felipe Silva Soares Faculdade Integral Diferencial - FACID/DEVRY
  • Felipe Gomes Sousa da Silva Faculdade Integral Diferencial - FACID/DEVRY
  • William Vinícius da Silva Faculdade Integral Diferencial - FACID/DEVRY
  • Guilherme Gonçalves Silva Pinto Faculdade Integral Diferencial - FACID/DEVRY
  • Antonio Luiz Martins Maia Filho Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI
  • Rosemarie Brandim Marques Faculdade de Ciências Médicas (FACIME) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI).
  • Débora de Alencar Franco Costa Faculdade Integral Diferencial - FACID/DEVRY

Abstract

Os médicos anestesiologistas são a categoria mais exposta aos danos químicos causados pelos anestésicos. Tais perigos são referidos na literatura como fatores condicionantes para surgimento desde complicações dermatológicas até neoplásicas. Objetivou-se analisar a opinião de médicos anestesistas atuantes na cidade de Teresina-PI sobre risco ocupacional por anestésicos inalatórios. A pesquisa teve como sujeitos profissionais médicos, de ambos os sexos, com residência em anestesiologia, tendo situação ativa de suas rotinas no município de Teresina – PI. A coleta de dados aconteceu no segundo semestre de 2015, sendo aplicado um questionário estruturado com questões objetivas e um roteiro de entrevista. Procedeu-se com a análise temática dos depoimentos, agrupamento de ideias, contagem de palavras e processamento final dos dados. Dos 30 participantes da pesquisa, 60% eram do sexo masculino e 46,6% possuem um tempo de atuação maior que 15 anos. Do total, 93,3% responderam não haver monitoração de gases em seus locais de trabalho. 68,9% afirmaram terem vivenciado algum incidente ou mudança de rotina por consequência do uso de anestésicos inalatórios em sua história profissional. Com a análise das informações provenientes dos sujeitos, o contexto laboral dos anestesiologistas os submete a prolongada exposição a gases inalatórios, em ambientes sem mensuração dos mesmos. Os gases inalados podem gerar incidentes ou mudanças de rotina dos profissionais médicos. C

Author Biographies

Francisco Rogério de Araújo Melo Filho, Faculdade Integral Diferencial - FACID/DEVRY
Graduando de Medicina.
Ricardo Felipe Silva Soares, Faculdade Integral Diferencial - FACID/DEVRY
Graduando de Medicina.
Felipe Gomes Sousa da Silva, Faculdade Integral Diferencial - FACID/DEVRY
Graduando de Medicina
William Vinícius da Silva, Faculdade Integral Diferencial - FACID/DEVRY
Graduando de Medicina.
Guilherme Gonçalves Silva Pinto, Faculdade Integral Diferencial - FACID/DEVRY
Graduando de Medicina
Antonio Luiz Martins Maia Filho, Faculdade de Ciências Médicas - FACIME/UESPI
Professor Dedicação Exclusiva da disciplina Fisiologia.
Rosemarie Brandim Marques, Faculdade de Ciências Médicas (FACIME) da Universidade Estadual do Piauí (UESPI).
Professora Dedicação Exclusiva da UESPI.
Débora de Alencar Franco Costa, Faculdade Integral Diferencial - FACID/DEVRY
Professora de Toxicologia.

References

1. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução CFM N° 1.973/2011. Diário Oficial da União, Brasília, 1 de agosto de 2011.
2. Braz JRC, Vane LA, SILVA AE. Risco Profissional do Anestesiologista - Tratado de Anestesiologia, 6ª Ed, São Paulo, Editora Atheneu, 2006;69-76.
3. Rang HP, Dale MM, Ritter JM. Farmacologia. 7 ed. São Paulo: Campus, 2012.
4. Katzung BG. Farmacologia básica e clínica. 10 ed. São Paulo: Lange, 2007.
5. Soubhia AF et al.O efeito dos anestésicos inalatórios halotano e sevoflurano em um modelo experimental de lesão hepática. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2011, vol.61, n.5, pp. 597-603. ISSN 0034-7094.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942011000500009.
6. Costa TF, Felli VEA. Periculosidade dos produtos e resíduos químicos da atenção hospitalar. Cogitare Enfermagem. Vol. 17, n 2, 2012.
7. Manica J. Anestesiologia: Princípios e Técnicas. 3º edição. Porto Alegre: Artes Médicas, 2004.
8. Morgan JGE, Mikail MS. Anestesiologia Clínica. 4º edição. São Paulo: Editora Revinter, 2010.
9. Cangiani LM. Tratado de Anestesiologia – SAESP, 6º edição. Editora Atheneu, São Paulo, 2006.
10. Barash PG, Cullen BF, Stoelting RK. Anestesia clínica. 4ª edição. Barueri: Manole, 2004.
11. Ferreira MBC. Farmacologia Clínica: Fundamentos da Terapêutica Racional. 3ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004. Cap 16. p 157-185.
12. CONSELHO FEREDAL DE MEDICINA, Busca de médicos. [Internet]. [local desconhecido]. Disponível em: https://portal.cfm.org.br/index.php?medicosNome=&medicosCRM=&medicosUF=PI&medicosMunicipios=5721&medicosSituacao=A&medicosTipoInscricao=&medicosEspecialidade=3&medicosAreaAtuacao=&captcha=ZK1H98&buscaEfetuada=true&option=com_medicos#buscaMedicos. (acessado 20 jan 2016).
13. National Institute for Occupational Safety and Healt, Waste anesthetic Gases : Occupational Hazards in Hospitals. [Internet]. [local desconhecido]. Disponível em: http://www.cdc.gov/niosh/docs/2007-151/pdfs/2007-151.pdf (acessado 20 jan 2016).
14. Occupational Safety & Health Administration, Anesthetic Gases: Guidelines for Workplace Exposures [Internet]. [local desconhecido]. Disponível em: https://www.osha.gov/dts/osta/anestheticgases (acessado 20 jan 2016).
15. Oliveira CRD. Exposição ocupacional a resíduos de gases anestésicos. Rev. Bras. Anestesiol. 2009, 59:110-124.
16. American Institute of Architects: Guidelines for Construction and Equipment of Hospitals and Medical Facilities. Washington, DC, 1992.
17. Torres, MLA, Carlos RV. Aparelhos de Anestesia: Componentes e Normas Técnicas, em: Cangiani LM, Posso IP, Potério GMB et al. - Tratado de Anestesiologia, 6ª Ed., São Paulo, Atheneu, 2006;163-175.
18. Fonseca NM. Conceitos fundamentais do aparelho de anestesia em Medicina Perioperatória. Rio de Janeiro: SAERJ, v. 251, 2006
19. Rice SA, Fish KJ. Reproductive and Developmental Toxicity of Anesthetics in Animals, em Anesthetic Toxicity. New York, Raven, 1994.
Published
2018-06-22
How to Cite
Melo Filho, F. R. de A., Soares, R. F. S., Sousa da Silva, F. G., da Silva, W. V., Silva Pinto, G. G., Maia Filho, A. L. M., Marques, R. B., & Franco Costa, D. de A. (2018). Risco ocupacional com anestésico inalatório: uma discussão a partir da opinião da classe médica, 11(2). https://doi.org/10.22280/revintervol11ed2.287
Section
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS II (FARMACOLOGIA - TOXICOLOGIA)