EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL DOS AGENTES DE COMBATE AS ENDEMIAS AOS INSETICIDAS

  • Gilberto Santos Cerqueira UFPI. Faculdade de Medicina. Parnaíba

Abstract

Os agrotóxicos são compostos químicos conhecidos por suas propriedades neurotóxicas, frequentemente considerada responsável pela intoxicação dos trabalhadores que manuseiam e aplicam agrotóxicos. A exposição ocupacional aos agrotóxicos no Brasil é um problema de saúde pública, que continua sendo subnotificada, tornando mais difícil as práticas de políticas públicas para prevenção das intoxicações por agrotóxicos. O estudo teve como objetivo investigar a exposição ocupacional dos agentes de endemias de São Gonçalo do Amarante - CE. Realizou-se um estudo exploratório descritivo com abordagem quantitativa com 26 agentes do município. As principais manifestações clínicas observadas após exposição ocupacional foram: eczema na pele, ardência nos olhos, tonturas, manchas na pele e coriza. Enfim, é de suma importância organizar processos educativos que valorizem o grau de conhecimento do trabalhador a cerca da utilização dos equipamentos de proteção como também dos produtos que utilizam nas suas atividades e assim tornando se sujeitos críticos, interpretativos, conscientes e seguros da realidade que vivenciam na sua rotina de trabalho.

Author Biography

Gilberto Santos Cerqueira, UFPI. Faculdade de Medicina. Parnaíba
Farmacêutico. Doutor em Farmacologia

References

ALEXANDRE, SF. Exposição a agrotóxicos e fertilizantes: agravos à saúde dos trabalhadores do agronegócio do abacaxi em Limoeiro do Norte-CE. Dissertação (Mestrado em Mestrado em Saúde Pública) - Universidade Federal do Ceará, 2009.

ARAUJO, A J; LIMA JS; MOREIRA JC et al . Exposição múltipla a agrotóxicos e efeitos à saúde: estudo transversal em amostra de 102 trabalhadores rurais, Nova Friburgo, RJ. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 12, n. 1, p. 115-130, Mar. 2007.

BOENTE, Alfredo; BRAGA, Gláucia. Metodologia científica contemporânea. Rio de Janeiro: Brasport, 2004.

BRASIL. Guia de Vigilância Epidemiológica. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Centro Nacional de Epidemiologia, 1998.

BRASIL- Ministério da Saúde. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Fundação Oswaldo Cruz. Plano integrado de vigilância em saúde de populações expostas a agrotóxicos. Março, 2009.

BRASIL- Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Normas para pesquisa envolvendo seres humanos: (Res. CNS 466/2012). Brasília-DF, 2012.

BRITO, P.F.; GOMIDE, M.; CÂMARA, V.M. Agrotóxicos e saúde: realidade e desafios para mudança de práticas na agricultura. Physis: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.19, n.1, 2009.

CERQUEIRA, G.S.; ARRUDA, V.R. FREITAS, A.P.F.; OLIVEIRA, T.L.; VASCONCELOS, T.C.; MARIZ, S.R. Dados da exposição ocupacional aos agrotóxicos em um grupo assistido por uma unidade básica de saúde na cidade de Cajazeiras, PB. Rev. Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade. v.3, n.1 Nov/Fev, 2010

DINIZ,Galdência Cunha; SILVA, Ivanise Freitas da; FÈLIX, Samara Andrade; MENEZES, Hildson Leandro de; FREITAS, Ana Paula Fragoso de; CERQUEIRA, Gilberto Santos; FREITAS, Rivelilson Mendes. Avaliação da Exposição Ocupacional a Solventes e a Material
Particulado em Procedimentos de Repintura. Revinter Revista Intertox de Toxicologia,
Risco Ambiental e Sociedade, v. 6, n. 2, p. 06-18, Jun. 2013.

DOMINGUES, Mara Regina; BERNARDI, Márcia Rodrigues; ONO, Elisabete Yurie Sataque; ONO, Mario Augusto. Agrotóxicos: risco à saúde do trabalhador rural. Ciências biológicas e da saúde, Londrina, v. 25, p. 45-54, jan./dez. 2004.

FREITAS, A.P.F.; PINTO, R.H.; LIMA, T.A.J.; VASCONCELOS, T.C.; CERQUEIRA, G.S.; WANDERLEY, L.W.B.; MARIZ, S.R.; DINIZ, M.F.F.M. Exposição ocupacional de trabalhadores de postos de combustíveis do sertão Paraibano. In: XV Congresso Brasileiro de Toxicologia. Rev. Bras. de Toxicologia, v,20, n.1, p. 31, 2007.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em:< http://cidades.ibge.gov.br/painel/painel.php?codmun=231240>. Acesso em: 15 dez 2014.

KEIFER MC. Effectiveness of inventions in reducing pesticide overexposure and poisonings. Am J Prev Med.2000;18(4 Supl):80-9.

LIMA, Estelita Pereira et al. Exposição a pesticidas e repercussão na saúde de agentes sanitaristas no Estado do Ceará, Brasil. Ciênc. saúde coletiva ., vol.14, n.6, pp. 2221-2230,2009.

LIMA, Ivete Maria Peixoto; MORAES, Arlete Gomes Guimarães; CARDIA, Carla Christiane de Oliveira. “Efeitos dos organofosforados em guardas de endemias federais”: análise da “acetilcolinesterase plasmática”. Rev. Unilins [online].2013. acessado no dia 15 de dezembro de 2014.

Lundberg I, Hogberg g M, Michelsen H, Nise G, Hogstedt C. Evaluation of the Q16 questionnaire on neurotoxic symptoms and a review of its use. Occup Environ Med 1997; 54 (5):343350.

MARTINS, Myrella Klesy Silva; CERQUEIRA, Gilberto Santos; SAMPAIO, Ana Márcia Alves; LOPES, Aline Alves; FREITAS, Rivelilson Mendes. Exposição ocupacional aos agrotóxicos: um estudo transversal. RevInter Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade, v. 5, n. 3, p. 6-27, Out. 2012.

MOREIRA, Mônica Ferreira; MANSUR, Juliana Figueira; MANSUR; Janaina Figueira. Resistência e inseticidas: estratégias, desafios e perspectivas no controle de insetos. Instituto de Nacional de Ciência e Tecnologia em Entomologia Molecular. 2012.

MOTA, L.M.; Agrotóxicos e transgênicos: solução ou problema à saúde humana e ambiental? Saúde & Amb. Rev., Duque de Caxias, v.4, n.1, p.36-46, jan-jun, 2009.

RITTER, L. Report of a panel on the relationship between public exposure to pesticides and cancer. Cancer 80, 2019-33, 1997

PORTO, Marcelo Firpo; SOARES, Wagner Lopes. Modelo de desenvolvimento, agrotóxicos e saúde: um panorama da realidade agrícola brasileira e propostas para uma agenda de pesquisa inovadora. Rev. bras. saúde ocup. vol.37, n.125, pp. 17-31, 2012.

RECENA, Maria Celina Piazza; CALDAS, Eloisa Dutra. Percepção de risco, atitudes e práticas no uso de agrotóxicos entre agricultores de Culturama, MS. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 42, n. 2, p. 294-301, abr. 2008.

SOARES, Wagner Lopes; PORTO, Marcelo Firpo de Souza. Uso de agrotóxicos e impactos econômicos sobre a saúde. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 46, n. 2, p. 209-217, abr. 2012 .

Sobreira AE, Garcia J, Adissi PJ. Agrotóxicos: falsas premissas e debates. Cienc Saude Coletiva.2003;8(4):985-90.

SILVA, Jandira Maciel, NOVATO-SILVA, Eliane, FARIA, Horácio Pereira et al. Agrotóxico e trabalho: uma combinação perigosa para a saúde do trabalhador rural. Ciência e saúde coletiva, vol.10, p.891-903, out./dez, 2005.

TEIXEIRA, Cleide Fernandes; AUGUSTO, Lia Giraldo da Silva; MORATA, Thais C.Saúde auditiva de trabalhadores expostos a ruído e inseticidas. Rev. Saúde Pública. vol.37, n.4, pp. 417-423, 2003.

TRAPÉ, Ângelo Zanaga. Efeitos toxicológicos e registro de intoxicações por agrotóxicos. Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. 2003.

VILELA, Rodolfo Andrade de Gouveia; MALAGOLI, Maria Elizabeth; MORRONE, Luiz C. Trabalhadores da saúde sob risco: o uso de pulverizadores no controle de vetores. Revista Produção, v. 15, n. 2, p. 263-272, Maio/Ago, 2005.
Published
2017-06-12
How to Cite
Cerqueira, G. S. (2017). EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL DOS AGENTES DE COMBATE AS ENDEMIAS AOS INSETICIDAS, 10(2). https://doi.org/10.22280/revintervol10ed2.264