Características físico-químicas e toxicológicas do Triticonazol

  • Lucas do Carmo Garcia Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
  • Gabriela Iná Savioli Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
  • Leonardo Galvão Gregório Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
  • Letícia de Jesus Ferreira Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
  • Marília Trivilin Mendes Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
  • Rafael Zanoni Camargo Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Abstract

Triticonazol é um fungicida utilizado no tratamento de pragas das culturas do trigo e cevada. Sua solubilidade é baixa (9,3 mg/L) e apresenta um coeficiente de partição octanol-água de 3,29 (log Kow), o que permite inferir que a substância tem tendência mediana para acumular em tecidos adiposos. A molécula é pouco volátil devido a sua baixa pressão de vapor 1x10-6 Pa. Dependendo das características do solo ele tende a ficar mais ou menos adsorvido, com Koc variando de 184 a 563. Com base em estudos realizados com cães, obteve-se uma dose de referência de 0,025 mg/kg/dia (EFSA, 2005), sendo possível derivar um padrão de potabilidade de 0,075 mg/L. Os dados de toxicidade para biota aquática indicam maior toxicidade para o crustáceo de água salgada,  Americamysis bahia,  com uma concentração de efeito não observado (CENO) de 0,025µg/L. Para água doce a maior toxicidade é para o peixe Pimephales promelas com CENO de 8,7µg/L. A partir desses valores foi possível encontrar o critério de proteção da vida aquática cujo valor obtido é 0,87µg/L para água doce e 0,0025µg/L para a água salgada. No Brasil, não foram encontrados relatos da presença do triticonazol em corpos hídricos. No entanto, foi possível encontrar ocorrência em dois lugares distintos: nos Estados Unidos (Wisconsin) e na Argentina (Buenos Aires), nos dois casos a concentração estava de acordo com o critério de proteção da vida aquática e de potabilidade, previamente calculados, portanto mais estudos deveriam ser realizados para a possível implementação do Triticonazol na legislação, já que seu uso é aprovado no Brasil, Estados Unidos e Europa.

References

ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 14725-2. Produtos químicos - Informações sobre segurança, saúde e meio ambiente, Parte 2: Sistema de classificação de perigo, 2009. Disponível em: documentos/seg_2_2013/nbr147252.pdf>. Acesso em: 12 mai. 2015.


ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 14725-3. Produtos químicos - Informações sobre segurança, saúde e meio ambiente, Parte 3: Rotulagem, 2010. Disponível em:. Acesso em: 12 mai. 2015.


AGROFIT. Sistema de Agrotóxicos Fitossanitários, Ministério da Agricultura e Pecuária e Abastecimento (MAPA), 2003. Disponível em: principal_agrofit_cons>. Acesso em: 04 abr. 2015.


ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Monografias de Agrotóxicos. Disponível em: 66dcbd9c63c/Microsoft+Word+-+T40++Triticonazol.pdf?MOD=AJPERES>. Acesso em: 04 abr. 2015.


BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Decreto nº 4074, de 04 de janeiro de 2002 Regulamenta a Lei no 7.802, de 11 de julho de 1989. Disponível em:. Acesso em: 05 abr. 2015.


BRASIL. Ministério da Saúde. PORTARIA Nº 2.914, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade.Disponível em: bvs/saudelegis/gm/2011/prt2914_12_12_2011.html>. Acesso em: 19mai. 2015.


CONAMA, Conselho Nacional do Meio Ambiente. RESOLUÇÃO Nº 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Publicada no DOU nº 053, de 18/03/2005, págs. 58-63.Disponível em: . Acesso em: 19 mai. 2015.


CONAMA, Conselho Nacional do Meio Ambiente. RESOLUÇÃO CONAMA nº 396, de 3 de abril de 2008. Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas e dá outras providências. Publicada no DOU nº 66, de 7 de abril de 2008, Seção 1, páginas 64-68.Disponível em: legislacao/CONAMA_RES_CONS_2008_396.pdf>. Acesso em: 05 abr. 2015.


EC, European Commission. Triticonazole.EU Pesticides databse. Disponível em: . Acesso em: 16 mai. 2015.


EFSA.European Food Safety Authority.Conclusion regarding the peer review of the pesticide risk assessment of the active substance triticonazole, 2005. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2015.


Gerónimo, E.; Aparicio, V.C.; Bárbaro, S.; Portocarrero, R.; Jaime, S.; Costa, J.L. Presence of pesticides in surface water from four sub-basins in Argentina. Disponível em: .Acesso em: 28 mai. 2015.


IBAMA. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Relatório de Comercialização dos Agrotóxicos. Disponível em: areas-tematicas-qa/relatorios-de-comercializacao-de-agrotoxicos/pagina-3>.Acesso em: 05 abr. 2015.


Jornal Oficial da União Européia.DIRECTIVA 2006/39/CE DA COMISSÃO de 12 de Abril de 2006. que altera a Directiva 91/414/CEE do Conselho com o objectivo de incluir as substâncias activasclodinafope, pirimicarbe, rimsulfurão, tolclofos-metilo e triticonazol
Disponível em: 0030:0035:PT:PDF>. Acesso em: 16 mai. 2015.


Orlando, J.L.; Smalling, K.L.; Reilly, T.J.; Fishman, N.S.; Boehlke A.; Meyer, M.T. e Kuivila, K.M. Occurrence of fungicides and other pesticides in surface water, groundwater, and sediment from three targeted-use areas in the United States, 2009. U.S. Geological Survey. Disponível em: . Acesso em: 28 mai. 2015.


Pesticide Action Network North America. Triticonazole - Identification, toxicity, use, water pollution potential, ecological toxicity and regulatory information. Pesticides Database –Chemicals, 2014. Disponível em: jsp?Rec_Id=PC37450>. Acesso em: 16 mai. 2015.


SBMCTA,Sociedade Brasileira de Mutagênese, Carcinogênese e Teratogênese Ambiental. Protocolo para Derivação de Critérios de Qualidade da Água para proteção da Vida Aquática no Brasil, 2011. Disponível em: 4f7edff394522f1aca11501d3f332477.pdf>. Acesso em: 16 mai. 2015.


Spadotto, C. A., Gomes, M.A.F., Luchini, L.C., Andréa, M.M. Monitoramento do risco ambiental de agrotóxicos: princípios e recomendações.Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente, 2004. Disponível em: documentos_42.pdf>. Acesso em: 19 mai. 2015.


Umbuzeiro, G. A. (coord.). Guia de potabilidade para substâncias químicas. São Paulo: Limiar, 2012.


University of Hertfordshire (2013) The Pesticide Properties DataBase (PPDB) developed by the Agriculture & Environment Research Unit (AERU), University of Hertfordshire, 2014. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2015.


University of Hertfordshire (2013) The Pesticide Properties DataBase (PPDB) developed by the Agriculture & Environment Research Unit (AERU), Substances Database Background and Support Information, University of Hertfordshire, 2015. Disponível em: . Acesso em: 16 mai. 2015.


U.S. Environmental Protection Agency. 2013. ECOTOX, User Guide: ECOTOXicology Database System. Version 4.0. Disponível em: . Acesso em: 16 mai. 2015.
Published
2016-10-28
How to Cite
Garcia, L. do C., Savioli, G. I., Gregório, L. G., Ferreira, L. de J., Mendes, M. T., & Camargo, R. Z. (2016). Características físico-químicas e toxicológicas do Triticonazol, 9(3). https://doi.org/10.22280/revintervol9ed3.254