Levantamento da avifauna da Estação Experimental da Syngenta em Uberlândia

  • Rodrigo Santiago

Abstract

a avifauna da Estação Experimental de Uberlândia foi estudada em duas campanhas, sendo a primeira em fevereiro (verão) e a segunda em julho (inverno) de 2015, totalizando 160 horas de observações diretas em campo. Dos cerca de 250ha da área, aproximadamente 45ha são ocupados por Áreas de Preservação Permanente e pela Reserva Legal e estas foram subdivididas em oito parcelas representando trechos de Cerradão, Floresta Estacional Semidecidual e Mata de Brejo. Foram registradas 141 espécies de aves pertencentes a 21 ordens e 38 famílias, compreendendo a maioria dos grupos presentes no bioma do Cerrado, além de diversas espécies generalistas presentes em outros biomas, principalmente na Mata Atlântica. Quanto à dieta, as aves insetívoras e onívoras foram as mais frequentes (32,6% e 26,4% respectivamente). A classificação segundo o hábitat típico revelou a predominância de espécies essencialmente campestres (37,6%) e essencialmente florestais (35,5%). A mata de brejo foi o ambiente mais rico e diverso, abrigando a maioria das espécies exclusivamente florestais, assim como as espécies mais sensíveis a alterações ambientais. As áreas de cultivo, assim como trechos florestais perturbados também apresentaram altas riquezas e diversidades, no entanto as mesmas são o reflexo da presença de diversas espécies generalistas, sinantrópicas e até mesmo exóticas ali encontradas. A integridade dos fragmentos vegetais e a ausência de caça tornam a Estação um refúgio para espécies canoras, cinegéticas e foram registradas até mesmo duas espécies oficialmente listadas como ameaçadas no Estado de Minas Gerais.

References

Bibby, C. J.; Jones, M.; Marsden, S. 1998. Expedition field techniques: bird survey. London: Royal Geographic Society
Chiarelo A.G.; Aguiar L.M.; Cerqueira R.; Melo F.R.; Rodrigues F.H.G.; Silva V.M.F. 2008. Mamíferos Ameaçados de Extinção no Brasil (Livro Vermelho da Fauna Ameaçada de extinção do Brasil). 203p.
Crump M.L.; Scott-Jr. N.J. 1994. Visual encounter surveys. In: Heyer W.R.; Donnely M.A.; Mc Diarmid R.W.; Hayek L.A.C.; Foster M.S. (Eds). Standard methods for amphibians. Washington, Smithsonian Institution Press.
Cullen L.; Bodmer E.R.; Valladares-Pádua C. 2001. Ecological consequences of hunting in Atlantic Forest patches, São Paulo, Brazil. Oryx, 35: 137-144.
FRANCHIN, A. G.; MARÇAL JÚNIOR, O. A riqueza da avifauna do Parque do Sabiá, zona urbana de Uberlândia (MG). Biotemas, São Carlos, v. 17, n. 1, p. 179-202, 2004.
Gregory R.D.; Gibbons D.W.; Donald P.F. 2004. Bird census and survey techniques. In: Sutherland W.J., Newton I.; Green R.E. (Eds). Bird Ecology and Conservation: A Handbook of Techniques, 17-56. Oxford University Press, Oxford.
IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis. 2006. Anexo à Instrução Normativa n° 3 de 27 de maio de 2003, do Ministério do
MACHADO, A. B. M.; FONSECA, G. A. B.; MACHADO, R. B.; AGUIAR, L. M. S.; LINS, L. V. Livro vermelho das espécies ameaçadas de extinção da fauna de Minas Gerais. Belo Horizonte, Fundação Biodiversitas. 1998.
Machado A.B.M.; Drummond G.M.; Paglia A.P. (Eds). 2008. Livro vermelho da fauna brasileira ameaçada de extinção, Volume II, 1.ed. MMA; Fundação Biodiversitas.1420 p.
Magurran A. E. 1988. Ecological Diversity and its meansurement. New Jersey, Princeton University Press.
Marçal Júnior, O., A.G. Franchin, E.F. Alteff, E.L. Silva Júnior & C. Melo (2009) Levantamento da avifauna na Estação Ecológica do Panga. Bioscience Journal 25: 149-164
Myers, N; Mittermeier, R. A; Mittermeier, C. G; Fonseca, C. A. B; Kent, J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, v.403, p.853-868. 2000.
Newton I. 2007. Migration Ecology of Birds. Cambridge. 976p.
Pinheiro, R.T. & T. Dornas (2009) Distribuição e conservação das aves na região do Cantão, Tocantins: Ecótono Amazônia/cerrado. Biota Neotropica 9(1): 187-205
RENCTAS. 2007. Diagnóstico do tráfico de animais da Mata Atlântica. Relatório técnico. 207p.
Santos, E.N.; 2014. Contribuição da avifauna como indicador da integridade ambiental na Estação Experimental de Holambra – SP. Dissertação de mestrado. FGV.
Scolforo, J.R. & L.M.T. Carvalho (2008) Inventário florestal de Minas Gerais: Monitoramento da flora nativa 2005 - 2007. Lavras: Editora UFLA.
Seixas, G.H.F.Projeto papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva): manejo e conservação no Pantanal e Cerrado de Mato Grosso do Sul, Brasil. PUBVET, Londrina, V. 1, N. 8, Ed. 8, Art. 410, 2007. Disponível em: http://www.pubvet.com.br/artigos_det.asp?artigo=410. Acesso em: 06/07/2012.
SEMAD - Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (2010) Lista de espécies da fauna ameaçadas de extinção do estado de Minas Gerais. Deliberação Normativa Copam N.º 147, de 30 de abril de 2010
SILVA, J. M. C.; BATES, J. M. Biogeographic patterns and conservation in the South American Cerrado: a tropical savanna Hotspot. BioScience, Albertson, v. 52, n. 3, p. 225-233, 2002
Valadão, R.M., A.G. Franchin & O. Marçal Júnior (2006a) A avifauna no Parque Municipal Victório Siquierolli, zona urbana de Uberlândia (MG). Biotemas 19(1): 77-87.
Valadão, R.M., A.G. Franchin & O. Marçal Júnior (2006b) A avifauna no Parque Municipal Santa Luzia, Zona Urbana de Uberlândia, Minas Gerais. Bioscience Journal 22: 97-108.
Von Matter et al (organizadores)2011. Ornitologia e Conservação: Ciência Aplicada, Técnicas de Pesquisa e Conservação.Technical Books, 516p.
Published
2016-02-03
How to Cite
Santiago, R. (2016). Levantamento da avifauna da Estação Experimental da Syngenta em Uberlândia, 9(1). https://doi.org/10.22280/revintervol9ed1.238
Section
BIODIVERSIDADE (ECOLOGIA; OCEANOGRAFIA; BOTÂNICA; ZOOLOGIA)