Levantamento florístico na Estação Experimental da Syngenta em Uberlândia

  • Herbert Serafim Freitas USP
  • Bruno Assanuma Burstin
  • Guilherme Lessa Ferreira
  • Lucas Alegretti
  • Maurea Nicoletti Flynn

Abstract

A região da Estação Experimental da Syngenta de Uberlândia está inserida no Triângulo Mineiro e pertence ao Domínio do Cerrado. Neste domínio fitogeográfico estão presentes os seguintes Biomas: o cerrado sensu lato, as florestas de galeria, os campos paludosos, os campos rupestres, as florestas tropicais estacionais sempre-verdes e as florestas estacionais deciduais. Foi realizada uma avaliação botânica no local em fevereiro de 2015, por meio de caminhadas e estabelecimento de parcelas cobrindo todas as áreas de mata. Foi feita a descrição geral da cobertura vegetal e classificação detalhada das fitofisionomias da vegetação florestal nativa. Foram identificadas 105 espécies arbóreas, dentre nativas e exóticas, pertencentes a 36 famílias botânicas nos biomas amostrados, incluindo quatro fitofisionomias que se misturam, formando um mosaico vegetacional, com predomínio da Floresta Estacional Semidecidual, seguida por áreas de contato entre a Floresta Estacional e o Cerradão, o Cerradão, e, por fim trechos de Mata de Brejo. Todos os setores investigados apresentam grande valor biológico para conservação da Natureza da região, e são responsáveis por expressiva oferta de propágulos para áreas adjacentes. Foi registrada a presença de duas espécies ameaçada de extinção, o palmito juçara e o pau-brasil. Em função da elevada diversidade e grande porte das árvores, a Estação hoje pode ser fornecedora de matrizes de sementes para projetos de restauração ecológica.

References

APG III. 2009. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society 161: 105-121.
ARAUJO, G.M.; NUNES, J.J.; ROSA, A.G. & RESENDE, E.J. 1997. Estrutura Comunitária de vinte áreas de Cerrados Residuais no Município de Uberlândia, MG. Revista Daphne 7(2): 7-14.
BOURLEGAT, J. M. G. L. 2009. Lianas da Floresta Estacional Semidecidual: Ecofisiologia e Uso em Restauração Ecológica. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo, Piracicaba. 65
BRANCALION, P.H.S.; RODRIGUES, R.R.; GANDOLFI, S. & KAGEYAMA, P.Y.; NAVE, A.G.; GANDARA, F.B; BARBOSA, L.M & TABARELLI, M. 2010. Instrumentos legais podem contribuir para a restauração de florestas tropicais biodiversas. Revista Árvore 34(3): 455-470.
BRANDÃO, M.; LACA-BUENDIA, J.P., ARAUJO, M.G. & FERREIRA, F.B.D. 1995. Município de Uberaba – MG: cobertura vegetal e composição florística. Revista Daphne 5(1): 19-39.
CAMPANELLO, P.I. 2007. Lianas in a subtropical Atlantic Forest: host preference and tree growth. Forest Ecology and management, Netherlands, 242, n. 2/3, p.250-2599.
COUTINHO, L. M. O conceito de Bioma. Acta Botânica Brasílica 20 (1): 13-24.
DEL GROSSI, S.R. 1993. A dinâmica climática atual de Uberlândia e suas implicações geomorfológicas. Sociedade & Natureza 5 (9): 115-120.
DURIGAN, G.; RATTER, J.A.; BRIDGEWATER, S.; SIQUEIRA, M.F. & FRANCO, G.A.D.C. 2003. Padrões fitogeográficos do cerrado paulista sob uma perspectiva regional. Revista Hoehnea 30(1): 39-51.
FIDALGO, O & BONONI, V.L.R. 1989. Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico, São Paulo: Instituto de Botânica. 62p.
FONSECA, R.C.B. 2005. Espécies-chave em um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, SP.
FORZZA, R.C. et al. 2010. Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Volumes 1 e 2.
FUNDAÇÃO BIODIVERSITAS 2007. Lista de espécies ameaçadas de extinção do Estado de Minas Gerais. Acesso em: www.biodiversitas.org.br_listas-mg_lista_floramg.pdf.
GANDOLFI, S.; LEITÃO-FILHO, H.F. & BEZERRA, C.L.F. 1995. Levantamento florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo-arbóreas de uma floresta mesófila semidecídua no município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Biologia 55: 735-767.
GANDOLFI, S. 2000. História Natural de uma Floresta Estacional Semidecidual no Município de Campinas (São Paulo, Brasil). Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
GUILHERME, F.A.G.; NAKAJIMA, J.N.; LIMA, C.A.P. & VANINI, A. 1998. Fitofisionomias e a flora lenhosa nativa do Parque do Sabiá, Uberlândia, MG. Daphne 8 (2): 17-30. 66
GUILHERME, F.A.G & NAKAJIMA, J.N. 2007. Estrutura da vegetação arbórea de um remanescente Ecotonal urbano floresta-savana no Parque do Sabiá, em Uberlândia, MG. Revista Árvore 31: (2): 329-338,
KUHLMANN, M. 2012. Frutos e sementes do Cerrado: Atrativos para fauna. Editora Rede de sementes do Cerrado. Brasília, DF.
LAURANCE, W.F.; DELAMONICA, P.; LAURANCE, S.G.; VASCONCELOS, H.L. & LOVEJOY, T.E. 2000. Rainforest fragmentation kills big trees. Nature 404: 836.
LORENZI, H. 1992. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Nova Odessa, Editora Plantarum.
LORENZI, H. 2002. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Vol. 2. Nova Odessa, Editora Plantarum.
LORENZI, H., Souza, H.M., Torres, M.A.V & Bacher, L.B. 2003. Árvores exóticas no Brasil: madereiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa, Editora Plantarum.
LORENZI, H. 2006. Manual de identificação e controle de plantas daninhas: plantio direto e convencional. 6ª edição. Nova Odessa, Editora Plantarum.
LORENZI, H., BACHER, L., LACERDA, M. & SARTORI, S. 2006. Brazilian fruits & cultivated exotics. 1ª edição. Nova Odessa, Editora Plantarum.
LORENZI, H. & SOUZA, H.M. 2008. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. 4ª edição. Nova Odessa, Editora Plantarum.
LORENZI, H. 2010. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Vol. 3. Nova Odessa, Editora Plantarum.
NOGUEIRA, M.F. & SCHIAVINI, I. 2003. Composição florística e estrutura da comunidade arbórea de uma Mata de Galeria inundável em Uberlândia, MG, Brasil. Bioscience Journal 19(2): 89-98.
OLIVEIRA-FILHO, A.T. 2006. Catálogo das árvores nativas de Minas Gerais: mapeamento e inventário da flora nativa e dos reflorestamentos de Minas Gerais. Ed. UFLA, Lavras.
PUTZ, F.E. 1984. The natural history of lianas on Barro Colorado Island, Panama. Ecology, Tucson, Vol. 65, n.6, p. 1713-1724.
RODRIGUES, V.H.P.; LOPES, S.F.; ARAÚJO, G.M. & SCHIAVINI 2010. Composição, estrutura e aspectos ecológicos da floresta ciliar do rio Araguari no Triângulo Mineiro. Hoehnea 37(1): 87-105. 67
ROZZA, A. F. 2003. Manejo e regeneração de trecho degradado de Floresta Estacional Semidecidual: reserva municipal de Santa Genebra, Campinas, SP. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 140p.
SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 2004. Recuperação Florestal: da muda à floresta. Instituto de Botânica, São Paulo.
SANTOS, N.E. 2014. Contribuição da avifauna como indicador da integridade ambiental na Estação Experimental de Holambra-SP. Dissertação Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP.
SANTOS, K. 2003. Caracterização florística e estrutural de onze fragmentos de mata estacional semidecidual da área de proteção ambiental do município de Campinas – SP. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
SOUZA, V.C. & LORENZI, H. 2008. Botânica Sistemática: Guia ilustrado para identificação das famílias de Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG III. 3ª edição. Nova Odessa, Editora Plantarum.
TABANEZ, A.A.J.; VIANA, V.M. & DIAS, A.S. 1997. Consequências da fragmentação e do efeito de borda sobre a estrutura, diversidade e sustentabilidade de um fragmento de floresta de planalto de Piracibaba, SP. Revista Brasileira de Bologia 57: 47-60.
UDULUTSCH, R. G. 2004. Composição Florística da Comunidade de Lianas Lenhosas em Duas Formações de Florestais do Estado de São Paulo. Universidade de São Paulo, Piracicaba.
VARGAS, B.C. & ARAUJO, G.M. 2014. Florísitica de trepadeiras em fragmentos de florestas semideciduais em Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. Rodriguesia 65 (1): 49-59.
VELOSO, H.P., RANGEL FILHO, A.L.R. & LIMA, J.C.A. 1992. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Rio de Janeiro.
Published
2016-02-03
How to Cite
Freitas, H. S., Burstin, B. A., Ferreira, G. L., Alegretti, L., & Flynn, M. N. (2016). Levantamento florístico na Estação Experimental da Syngenta em Uberlândia, 9(1). https://doi.org/10.22280/revintervol9ed1.236
Section
BIODIVERSIDADE (ECOLOGIA; OCEANOGRAFIA; BOTÂNICA; ZOOLOGIA)