Levantamento das áreas de floresta restaurada na Estação Experimental de Holambra da Syngenta

  • Herbert Serafim Freitas USP
  • Bruno Assanuma Burstin UNICAMP
  • Guilherme Lessa Ferreira UNICAMP
  • Lucas Alegretti
  • Maurea Nicoletti Flynn

Abstract

Com o objetivo de realizar um levantamento extensivo florestal para elaboração de recomendações norteadoras de futuras ações da Syngenta que busquem a manutenção e o progresso do processo sucessional das diversas fitofisionomias da Estação Experimental de Holambra, cada fitofisionomia foi caracterizada quanto aos seus atributos ambientais (coordenada geográfica de referência, declividade, serapilheira, dossel, estratos presentes e predominantes, espécies predominantes, estado de conservação, presença de alterações antrópicas, etc.); foram quantificados os parâmetros estruturais, abundancia, riqueza especifica e diversidade; e estabelecidos os graus de sucessão ecológica com a caracterização e classificação dos plantios de reflorestamento e remanescentes nativos. Em toda área foram identificadas 105 espécies arbóreas, pertencentes a 36 famílias botânicas, porém o número de espécies real certamente é bem superior ao registrado neste estudo. Das 105 espécies catalogadas, 88 são nativas e pertencem a 31 famílias, e 17 são exóticas, representadas por 12 famílias botânicas. Concluiu-se que todos os setores investigados apresentam grande valor biológico para conservação da Natureza da região, e são responsáveis por expressiva oferta de propágulos para áreas adjacentes. Entretanto se faz necessário o controle e eliminação de alguns fatores de impacto presentes, em especial a infestação por lianas, e a presença do capim-braquiária.

References

APG III. 2009. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society 161: 105-121.
BOURLEGAT, J. M. G. L. 2009. Lianas da Floresta Estacional Semidecidual: Ecofisiologia e Uso em Restauração Ecológica. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo, Piracicaba.
BRANCALION, P.H.S.; RODRIGUES, R.R.; GANDOLFI, S. & KAGEYAMA, P.Y.; NAVE, A.G.; GANDARA, F.B; BARBOSA, L.M & TABARELLI, M. 2010. Instrumentos legais podem contribuir para a restauração de florestas tropicais biodiversas. Revista Árvore 34(3): 455-470.
CAMPANELLO, P.I. 2007. Lianas in a subtropical Atlantic Forest: host preference and tree growth. Forest Ecology and management, Netherlands, 242, n. 2/3, p.250-2599.
CARDOSO, F. C. G. Fenologia de Árvores da Floresta Atlântica no Litoral do Paraná: Comparações entre categorias sucessionais. Monografia, Universidade Federal do Paraná. p.19, 2006.
CATHARINO, E.L.M.; BERNACCI, L.C.; FRANCO, G.A.D.; DURIGAN, G. & METZGER, J.P. 2006. Aspectos da composição e diversidade do componente arbóreo das florestas da Reserva florestal do morro Grande, Cotia, SP. Biota Neotropica 6(n2) http:www.biotaneotropica.org.br/v6n2/PT/abstract?article+bn00306022006.
CNCFLORA - Centro Nacional de Conservação da Flora – Disponível em: - Acessado em novembro de 2014.
FIDALGO, O & BONONI, V.L.R. 1989. Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico, São Paulo: Instituto de Botânica. 62p.
FONSECA, R.C.B. 2005. Espécies-chave em um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, SP.
FORZZA, R.C. et al. 2010. Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Volumes 1 e 2.
GANDOLFI, S.; LEITÃO-FILHO, H.F. & BEZERRA, C.L.F. 1995. Levantamento florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo-arbóreas de uma floresta mesófila semidecídua no município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Biologia 55: 735-767.
GANDOLFI, S. 2000. História Natural de uma Floresta Estacional Semidecidual no Município de Campinas (São Paulo, Brasil). Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
GRAUEL, W.T.; & PUTZ, F.E. 2004. Effects of lianas on growth and regeneration of Prioria copaifera in darien, Panamá. Forest Ecology and management, Netherlands, V. 190, nº1, P. 99-108.
IPE – Instituto de Pesquisas Ecológicas – Disponível em: - Acessado em novembro de 2014.
KRONKA, F.J.N.; NALON, M.A.; MATSUKUMA, et. al., 2005. Inventario Florestal da vegetação natural do estado de São Paulo. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente; Instituto Florestal; Imprensa Oficial.
LAURANCE, W.F.; DELAMONICA, P.; LAURANCE, S.G.; VASCONCELOS, H.L. & LOVEJOY, T.E. 2000. Rainforest fragmentation kills big trees. Nature 404: 836.
LORENZI, H. 1992. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Nova Odessa, Editora Plantarum.
LORENZI, H. 2002. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Vol. 2. Nova Odessa, Editora Plantarum.
LORENZI, H., Souza, H.M., Torres, M.A.V & Bacher, L.B. 2003. Árvores exóticas no Brasil: madereiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa, Editora Plantarum.
LORENZI, H. 2006. Manual de identificação e controle de plantas daninhas: plantio direto e convencional. 6ª edição. Nova Odessa, Editora Plantarum.
LORENZI, H., BACHER, L., LACERDA, M. & SARTORI, S. 2006. Brazilian fruits & cultivated exotics. 1ª edição. Nova Odessa, Editora Plantarum.
LORENZI, H. & SOUZA, H.M. 2008. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. 4ª edição. Nova Odessa, Editora Plantarum.
LORENZI, H. 2010. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Vol. 3. Nova Odessa, Editora Plantarum.
LORENZI, H. 2008. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. Vol. 1. Nova Odessa, Editora Plantarum.
MIKICH, S. B. & SILVA, S. M. Composição Florística e Fenologia das Espécies Zoocóricas de Remanescentes de Florestas Estacional Semidecidual no Centro Oeste do Paraná, Brasil. Acta. Bot. Bras., v.15, n. 1, pg. 89-113. 2001.
PEREIRA, S. G. & AMARAL, A. F. Fenologia das Espécies Arbóreas do Bosque do Parque Municipal do Mocambo, Patos de Minas – MG. Perquirere – Revista Eletrônica da Pesquisa. Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa de Extensão (NIPE) do Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM). 2006.
PUTZ, F.E. 1984. The natural history of lianas on Barro Colorado Island, Panama. Ecology, Tucson, Vol. 65, n.6, p. 1713-1724.
REGO, G. M.; LAVORANTI, O. J. & VIEIRA, E. S. N. Fenologia Reprodutiva: Período de Reprodução de Sementes Jerivá. Embrapa Florestas. 2011 - disponível em: acessado em Novembro 2014.
ROZZA, A. F. 2003. Manejo e regeneração de trecho degradado de Floresta Estacional Semidecidual: reserva municipal de Santa Genebra, Campinas, SP. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 140p.
SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 2004. Recuperação Florestal: da muda à floresta. Instituto de Botânica, São Paulo.
SANTOS, N.E. 2014. Contribuição da avifauna como indicador da integridade ambiental na Estação Experimental de Holambra-SP. Dissertação de Mestrado. Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP.
SANTOS, K. 2003. Caracterização florística e estrutural de onze fragmentos de mata estacional semidecidual da área de proteção ambiental do município de Campinas – SP. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
SECCO, R. S. & GIULIETTI, A. M. Sinopse das Espécies de Alchornea (Euphorbiaceae, Acalyphoideae) na Argentina. Darwiniana, v. 42, n. 1-4, 2004.
SOUZA, V.C. & LORENZI, H. 2008. Botânica Sistemática: Guia ilustrado para identificação das famílias de Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG III. 3ª edição. Nova Odessa, Editora Plantarum.
TABANEZ, A.A.J.; VIANA, V.M. & DIAS, A.S. 1997. Consequências da fragmentação e do efeito de borda sobre a estrutura, diversidade e sustentabilidade de um fragmento de floresta de planalto de Piracibaba, SP. Revista Brasileira de Biologia 57: 47-60.
TOMBOLATO, A.F.C.; GRECO, T.M. & PINTO, M.M. 2012. Dez espécies de bambus exóticos mais comuns no paisagismo no Brasil. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental. 18(2): 105-114.
UDULUTSCH, R. G. 2004. Composição Florística da Comunidade de Lianas Lenhosas em Duas Formações de Florestais do Estado de São Paulo. Universidade de São Paulo, Piracicaba.
VELOSO, H.P., RANGEL FILHO, A.L.R. & LIMA, J.C.A. 1992. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Rio de Janeiro.
VERÇOZA, F. C.; DIAS, A. R. & MISSAGIA, C. C. C. Ecologia da Polinização e Potenciais Dispersores da “Marianeira” – Acnistus arborescens (L.) Schltdl. (Solanaceae) em Área de Floresta Atlântica do Rio de Janeiro. Natureza on line. vol. 10, n. 2, pg. 59-64. 2012.
Published
2016-02-03
How to Cite
Freitas, H. S., Burstin, B. A., Ferreira, G. L., Alegretti, L., & Flynn, M. N. (2016). Levantamento das áreas de floresta restaurada na Estação Experimental de Holambra da Syngenta, 9(1). https://doi.org/10.22280/revintervol9ed1.235
Section
BIODIVERSIDADE (ECOLOGIA; OCEANOGRAFIA; BOTÂNICA; ZOOLOGIA)