Perfil das admissões no Centro de Assistência Toxicológica da Paraíba (CEATOX-PB) motivadas por acidentes com aranhas

  • Thiago Ferreira Sarmento Universidade Federal da Paraíba - UFPB.
  • Gleice Rayanne da Silva Universidade Federal da Paraíba - UFPB Centro de Assistência Toxicológica de João Pessoa - CEATOX - JPPB
  • Aníbal de Freitas Santos Júnior Universidade do Estado da Bahia – Salvador, Bahia
  • Bruno Coelho Cavalcanti Universidade Federal do Ceará – Fortaleza, Ceará
  • Hélio Vitoriano Nobre Júnior Universidade Federal do Ceará – Fortaleza, Ceará
  • Leônia Maria Batista Universidade Federal da Paraíba - UFPB
  • Hemerson Iury Magalhães Universidade Federal da Paraíba - UFPB Departamento De Ciências Farmacêuticas - DCF Programa de Pós Graduação em Ciências da Nutrição - PPGCN. Centro de Assistência Toxicológica de João Pessoa - CEATOX-JPPB. http://orcid.org/0000-0001-7139-8712

Abstract

Existem mais de 30 mil espécies de aranhas, apenas algumas não são venenosas. Entretanto, a grande maioria não tem a capacidade de causar danos aos seres humanos. Entre as aranhas de interesse médico destacam-se os gêneros Phoneutria, Loxosceles, Latrocectus e Lycosa; e a subordem Mygalomorphae. Este trabalho objetivou traçar um perfil das admissões no CEATOX-PB motivadas por acidentes com aranhas. Trata-se de um estudo transversal, retrospectivo e descritivo de abordagem quantitativa. Foram averiguadas as fichas de notificação do CEATOX-PB dos anos de 2013 e 2014. Obteve-se um total de 148 fichas, sendo 81 fichas referentes ao ano de 2013 e 67 ao ano de 2014. A distribuição dos acidentes com aranhas por meses destacou o mês de agosto de 2013 como o de maior incidência, não se observou tendência sazonal. O gênero feminino foi o mais acometido pelos acidentes aracneicos. Destacaram-se os grupos etários com idade entre 20 – 39 anos e de 40 – 49 anos como os detentores do maior número de vítimas de araneísmo. A maioria dos indivíduos levou mais de 24 horas para buscar atendimento. A zona urbana ressaltou-se como a principal região de ocorrência dos acidentes. Com relação à parte anatômica da picada, se sobressaem as regiões da perna, antebraço e mão. As manifestações clínicas locais de dor, edema, eritema e prurido foram as que mais apareceram nas fichas analisadas. Já às manifestações sistêmicas, separou-se a hipertermia e as náuseas. Na maioria dos casos não foi possível identificar a espécie de aranha envolvida. A soroterapia pouco foi utilizada, pois a maior parcela dos acidentes foi enquadrada como leve. Conclui-se que o levantamento de informações sobre araneísmo, assim como também, o diagnóstico e tratamento de acidentes devem ser otimizados, com o intuito de qualificar o atendimento.

Author Biographies

Thiago Ferreira Sarmento, Universidade Federal da Paraíba - UFPB.
Graduado em Farmácia, Universidade Federal da Paraíba – João Pessoa, Paraíba. Departamento de Ciências Farmacêuticas - Centro de Ciências da Saúde.
Gleice Rayanne da Silva, Universidade Federal da Paraíba - UFPB Centro de Assistência Toxicológica de João Pessoa - CEATOX - JPPB
Graduanda em Farmácia, Universidade Federal da Paraíba – João Pessoa, Paraíba. Departamento de Ciências Farmacêuticas - Centro de Ciências da Saúde - Universidade Federal da Paraíba - UFPB. Extensionista no Centro de Assistência Toxicológica de João Pessoa – CEATOX-JPPB
Aníbal de Freitas Santos Júnior, Universidade do Estado da Bahia – Salvador, Bahia
Docente do Curso de Farmácia, Universidade do Estado da Bahia – Salvador, Bahia. Departamento de Ciências da Vida - DCV – Faculdade de Farmácia –Universidade do Estado da Bahia – UNEB
Bruno Coelho Cavalcanti, Universidade Federal do Ceará – Fortaleza, Ceará
Biólogo, Universidade Federal do Ceará – Fortaleza, Ceará. Departamento de Fisiologia e Farmacologia - Faculdade de Medicina – Universidade Federal do Ceará – UFC -  Endereço: Rua Alexandre Baraúna, 949 - Rodolfo Teófilo - CEP 60430-160
Hélio Vitoriano Nobre Júnior, Universidade Federal do Ceará – Fortaleza, Ceará
Docente do Curso de Farmácia, Universidade Federal do Ceará – Fortaleza, Ceará. Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas-DACT - Universidade Federal do Ceará – UFC - Universidade Federal do Ceará – UFC
Leônia Maria Batista, Universidade Federal da Paraíba - UFPB
Docente do Curso de Farmácia, Universidade Federal da Paraíba – João Pessoa, Paraíba. Departamento de Ciências Farmacêuticas/Pós graduação em Produtos Naturais - Centro de Biotecnologia - Universidade Federal da Paraíba - UFPB
Hemerson Iury Magalhães, Universidade Federal da Paraíba - UFPB Departamento De Ciências Farmacêuticas - DCF Programa de Pós Graduação em Ciências da Nutrição - PPGCN. Centro de Assistência Toxicológica de João Pessoa - CEATOX-JPPB.
Professor Adjunto I no Departamento de Ciências Farmacêuticas (DCF) na Universidade Federal da Paraíba (Disciplina de Toxicologia). Tem experiência na área de Farmacologia, com ênfase em cultura de células, Toxicologia de produtos naturais e sintéticos, Oncologia Experimental (atividade citotóxica, genotóxica e antitumoral), Bioprospecção de produtos naturais como fonte de fármacos antifúngicos e exploração biotecnológica de biomas regionais. Membro da Sociedade Brasileira de Toxicologia e está como Coordenador geral do CEATOX em João Pessoa. 

References

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução nº466, de 12 de dezembro de 2012. Conselho Nacional de Saúde. Diário Oficial da União. 2013

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de controle de escorpiões. Brasília, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. 6. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. 816p

CAMPOLINA, D. et al. Araneísmo e acidentes com lacraias e piolhos de cobra. In: ANDRADE FILHO, A. Toxicologia na prática clínica. Belo Horizonte: Folium, 2013. 700p

CARDOSO, João Luiz Costa et al. Animais peçonhentos no Brasil: Biologia clínica e terapêutica dos acidentes. São Paulo: Savier, 2003.468p.
CASTRO, A.P.; SILVA, T.C.; SILVA, J.C.R. Ocorrência, controle e prevenção de aranhas e escorpiões no nordeste brasileiro. 2009.

CHAGAS, F. B.; D’AGOSTINI, F. M.; BETRAME, V. Aspectos epidemiológicos dos acidentes por aranhas no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Evidência, v. 10, n. 1-2, p. 121-130, 2010.

COSTA, D.B. Acidentes Ofídicos em Campina Grande: Dados Epidemiológicos, Biológicos, Laboratoriais e Clínicos. Universidade Estadual da Paraíba. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Farmácia Generalista. Campina Grande-PB, 2012, 30f.

CRUZ, B.A.R. Vivência acadêmica no atendimento de acidentes provocados por animais peçonhentos no CEATOX-CG: Um relato de caso. Universidade Estadual da Paraíba. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Enfermagem. Campina Grande-PB, 2014.

DORNELES, A.L. Frequência de acidentes por animais peçonhentos ocorridos no Rio Grande do Sul, 2001-2006. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Trabalho de Conclusão de Curso. 2009, 49p.

ESTRADA, G.; VILLEGAS, E.; CORZO, G. Spider venoms: a rich source of acylpolyamines and peptides as new leads for CNS drugs. Nat. Prod. Rep., v. 24, p. 145–161. 2007.

FUNASA, Ministério da Saúde. Manual diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos. 2ªed. – Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2001.

HAAS, J. et al. Acidentes com aranhas do gênero Loxosceles spp. em Larajeiras do Sul – PR. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 34, n. 1, p. 15-22, 2013.

HOSPITAL VITAL BRASIL. Acidentes com aranhas. Disponível em: Acesso em: 10 de março de 2015.

INSTITUTO BUTANTAN. Acidentes por animais peçonhentos. São Paulo, 2007.
ITHO, S.F. Rotina de atendimento do intoxicado. 3.ed. rev. e atual. Vitória, p.472, 2007.

LISE, F., COUTINHO, S.E.D., GARCIA, F.R.M. Características clínicas do araneísmo em crianças e adolescentes no município de Chapecó, Estado de Santa Catarina, Brasil. Acta Sci. Health Sci. v.28. n.1. p.13-16. 2006.
LISE, F.; COUTINHO, S.E.D.; GARCIA, F.R.M. Características Clínicas do Araneísmo em Crianças e Adolescentes no Município de Chapecó, Estado de Santa Catarina, Brasil. Acta Sci Health Sci, , v. 28, n. 1, p. 13-16, Maringá, 2006.

MARTINS, C. B. G.; ANDRADE, S. M.; PAIVA, P. A. B. Envenenamentos acidentais entre menores de 15 anos em município da Região Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 407-414, 2006.

PARDAL, P.P.O.; GADELHA, M.A.C. Acidentes por animais peçonhentos: manual de rotina. Belém: SESPA, 2010.

PIZZANI, L. et al. A arte da pesquisa bibliográfica na busca do conhecimento. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 10, n. 1, 2012.

SILVA, D. P. et al. Análise do Araneísmo e suas implicações Epidemiológicas na cidade de Anápolis-GO. SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 4. 2006, Anápolis. Anais...Anápolis, 2006.

SILVA, Emanuel M. da. Loxoscelismo no Estado do Paraná: análise epidemiológica dos acidentes causados por Loxosceles Heinecken & Lowe, 1832 no período de 1993 a 2000. 2002. 69 f. Dissertação (Mestrado em Ciências na Área de Saúde Pública) Escola Nacional de Saúde Pública; Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2002.

SILVA, I.M.B.; SANTOS, Y.G. Estudo etnoecológico: Importância médica dos aracnídeos (Arachnida: Araneae, Scorpiones) e sua relação com a comunidade de Caetité-BA. In: X Congresso de Ecologia do Brasil, São Lourenço-MG, 2011.

SILVA, W. G.; CAVALCANTE, W. L. G. Epidemiologia de acidentes causados por aranhas na região de Itapeva/SP no período de janeiro de 2007 a abril de 2012. [s.l.: s.n.], 2012.
Published
2016-06-30
How to Cite
Sarmento, T. F., da Silva, G. R., Santos Júnior, A. de F., Cavalcanti, B. C., Nobre Júnior, H. V., Batista, L. M., & Magalhães, H. I. (2016). Perfil das admissões no Centro de Assistência Toxicológica da Paraíba (CEATOX-PB) motivadas por acidentes com aranhas, 9(2). https://doi.org/10.22280/revintervol9ed2.233
Section
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS II (FARMACOLOGIA - TOXICOLOGIA)