Avaliação do consumo de frituras em geral, salgados e alimentos enlatados / embutidos por pacientes atendidos em uma unidade básica de saúde

  • Francisco Nataniel Macedo Uchôa Universidade Trás dos Montes e Alto Douro – UTAD
  • Francisca Vanessa Lima Da Silva Graduada em Nutrição- Centro Universitário Estácio FIC.
  • Jessica Augusta Praciano De Castro Pinto Graduada em Nutrição- Centro Universitário Estácio FIC.
  • Suzy Kerssia Pereira de Sousa Alves Graduada em Nutrição- Centro Universitário Estácio FIC.
  • Ariane Teixeira dos Santos Teixeira dos Santos Graduada em Nutrição- Centro Universitário Estácio FIC.
  • Danielle Abreu Foschetti Universidade Federal do Ceará.
  • Gilberto Santos Cerqueira Universidade Federal do Piauí

Abstract

A busca pela praticidade e rapidez proporciona a aceitação maior da ingestão de fastfoods, entre os quais, as frituras e embutidos tornam-se a melhor opção para muitos consumidores. A alta ingestão de alimentos industrializados ricos em gorduras saturadas, sódio e açúcares podem acarretar consequências para a saúde e estar diretamente ligado a maior prevalência de doenças crônicas não transmissíveis da população. Sendo assim, o presente estudo tem como objetivo analisar o consumo de frituras em geral salgados e alimentos enlatados/embutidos por pacientes atendidos em uma unidade básica de saúde. A pesquisa foi realizada em uma unidade básica de saúde na cidade de Fortaleza-CE, em cinco dias escolhidos aleatoriamente no mês de maio de 2015, com aplicação de um questionário do Guia Alimentar para população brasileira. Observou-se que 26,66% raramente ou nunca consumia determinados alimentos em contrapartida 40% fazia o consumo diários desses alimentos, 13,33% relatarão consumir apenas 2 a 3 vezes por semana tais alimentos, foi constatado também 13,33% faziam o consumo de 4 a 5 vezes por semana e 6,6% consumia menos que 2 vezes por semana. O consumo elevado de gorduras saturadas e ricas em sódio gera prejuízos a saúde levando ao desenvolvimento de doenças coronarianas, por isso a necessidade de mais orientações a este público quanto ao consumo equilibrado dos alimentos.

Author Biographies

Francisco Nataniel Macedo Uchôa, Universidade Trás dos Montes e Alto Douro – UTAD
. Docente da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza. Mestrando em Ciências do desporto pela Universidade Trás dos Montes e Alto Douro – UTAD, Portugal.
Francisca Vanessa Lima Da Silva, Graduada em Nutrição- Centro Universitário Estácio FIC.
Graduada em Nutrição- Centro Universitário Estácio FIC.
Jessica Augusta Praciano De Castro Pinto, Graduada em Nutrição- Centro Universitário Estácio FIC.
Graduada em Nutrição- Centro Universitário Estácio FIC.
Suzy Kerssia Pereira de Sousa Alves, Graduada em Nutrição- Centro Universitário Estácio FIC.
Graduada em Nutrição- Centro Universitário Estácio FIC.
Ariane Teixeira dos Santos Teixeira dos Santos, Graduada em Nutrição- Centro Universitário Estácio FIC.
Graduada em Nutrição- Centro Universitário Estácio FIC.
Danielle Abreu Foschetti, Universidade Federal do Ceará.
Doutora em Farmacologia. Departamento de Biomedicina. Campus Porangabuçu, Universidade Federal do Ceará.
Gilberto Santos Cerqueira, Universidade Federal do Piauí
Docente Adjunto. Departamento de Nutrição. Campus Senador Helvídio Nunes de Barros, Universidade Federal do Piauí.

References

1. Attaloni, Raquel Cozer; Gallon, Carin Weirich. Qualidade de vida e perfil nutricional de pacientes com câncer colorretal colostomizados. Revista Brasileira de Coloproctologia, v. 30, n. 3, p. 289-298, 2010.
2. Barreto SM, Passos VMA, Cardoso ARA, Lima-Costa MF. Quantifying the risk of coronary artery disease in a community: the Bambui Project. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v.81, n.6, 2003.
3. Borsato D, Gardes BJL, Kawakoe MAI. Teores de nitratos e nitritos em conservas de carne comercializadas em Londrina (PR). Semina, v.10, n.4, p.235-238, 1989.
4. Bleil SI. O padrão alimentar ocidental: considerações sobre a mudança de hábitos no Brasil. Revista cadernos de debate, v.6, p.1-25, 1998.
5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília, DF, 2006. 210 p. (Série A. Normas e manuais técnicos). Disponível em: . Acesso em: 20 mai 2015.
6. Brasil. Ministério da saúde. Secretaria de atenção à saúde. Departamento de atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / ministério da saúde, secretaria de atenção à saúde, departamento de atenção Básica. – 2. ed. – Brasília: ministério da saúde, 2014.
7. Del ré PV, Jorge N. Comportamento de óleos vegetais em frituras descontínuas de produtos pré-fritos congelados. Ciência e Tecnologia alimentar, v.26, n.1, p.56-63, 2006.
8. DE OLIVEIRA, Gabriela Gelbcke; LIBERALI, Rafaela; COUTINHO, Vanessa Fernandes. Perfil de consumo alimentar de mulheres frequentadoras de uma academia de Curitiba. SaBios-Revista de Saúde e Biologia, v. 7, n. 3, 2012.
9. Garcia. R. W. D. Reflexos da globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Revista de Nutrição, v.16, n.4, p.483-492, 2003.
10 Levy-Costa RB et al. Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Revista de Saúde Pública, v.39, n.4, p. 530-540, 2005.
11. Mariath, A. B.; Grillo, L. P.; Silva, R. O.; Schimitz, P.; Campos, I. C.; Medina, J. R. P.; Kruger, R. M. Obesidade e fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis entre usuários de unidade de alimentação e nutrição. Cadernos de Saúde Pública, v.23, n.4, p.897-905, abr, 2007.
12. Mendonça CP, Anjos LA. Aspectos das práticas alimentares e da atividade física como determinantes do crescimento no sobrepeso/obesidade no Brasil. Caderno de Saúde Pública, v.20, n.3, p. 698-729, 2004.
13. Monteiro CA, Mondini B, Costa RBL. Mudanças na composição e adequação nutricional da dieta familiar nas áreas metropolitanas do Brasil (1988-1996). Revista de Saúde Pública.2000;34(3):1-13.
14. Nieble BD. Comensalidade através dos tempos, em Contribuciones a las Ciencias Sociales, febrero 2010. Disponível em: < www.eumed.net/rev/cccss/07/bdn.htm>. Acesso em: 23 mai. 2015.
15. Oliveira SP. de, Thebaud-Mony A. Estudo de consumo alimentar: em busca de uma abordagem multidisciplinar. Revista Saúde Pública.1997;31(2):201-208.
16. Pastore CA. A saúde do coração na alimentação. Higiene Alimentar.1998;12(55):13.
Piati, Jaqueline; FELICETTI, Claudia Regina; LOPES, Adriana C. Perfil nutricional de hipertensos acompanhados pelo Hiperdia em Unidade Básica de Saúde de cidade paranaense. Revista Brasileira de hipertensão, v. 16, n. 2, p. 123-129, 2009.
17. Popkin BM. Global Nutrition Dynamic: the world is shifting rapidly toward a diet linked with non-communicable diseases. The American Journal Clinical Nutrition, v. 84, p.289-298, 2006.
18. Santos RD et al. I Diretriz sobre o consumo de gorduras e saúde cardiovascular. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v.10, n.1, p.1-40, 2013.
19. Schneider A. Food FAQs. Nature, v. 433, p.798-799, 2005.
20. WHO – World Health Organization. Health and the millennium development goals. Paris: WHO Press; 2005.
Published
2015-10-02
How to Cite
Uchôa, F. N. M., Da Silva, F. V. L., Pinto, J. A. P. D. C., Alves, S. K. P. de S., dos Santos, A. T. dos S. T., Foschetti, D. A., & Cerqueira, G. S. (2015). Avaliação do consumo de frituras em geral, salgados e alimentos enlatados / embutidos por pacientes atendidos em uma unidade básica de saúde, 8(3). https://doi.org/10.22280/revintervol8ed3.215