Análise das atitudes de risco de consumidores em restaurantes self servisse do município de Picos-PI.

  • Natália Santos Luz UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ

Abstract

Atualmente percebe- se que com o avanço industrial os indivíduos modificaram seu estilo de vida, principalmente em relação aos hábitos alimentares, passando a desfrutar menos da alimentação a domicílio, o que prova o aumento da demanda dos serviços de alimentação coletiva. O serviço self-service oferece opções de guarnição bem como carne, pratos (arroz e feijão), saladas, sobremesas, variedades em quantidade que satisfaça ao consumidor tem como objetivo mostrar o comportamento do mesmo ao se servir em balcões de distribuição de alimento. É comum nesse sistema de distribuição, como em restaurantes de autosserviço, os consumidores manterem o contato direto aos alimentos que estão exibidos no balcão, onde ocorre frequentemente a contaminação dos alimentos. O presente estudo tende investigar possíveis atitudes de riscos praticados por consumidores em sete restaurantes do tipo self-service no município de Picos-Piauí, realizado de forma exploratória com características descritivas e técnicas de observação não participante. Sendo este desenvolvido em três etapas: Na primeira, foi observada a lavagem das mãos pelos consumidores antes do autosserviço, com amostra de 458 consumidores. Na segunda, foi construída uma ficha de avaliação a partir da observação e definição das atividades de risco e na terceira, contabilizaram-se as práticas das atitudes de risco por parte dos consumidores. Através deste estudo permitiu-se identificar que os consumidores também desempenham papel importante no processo analisado ao praticar atitudes relevantes como “falar em cima das preparações”, “Levar ou colocar objetos no balcão de distribuição” e “Arrumar alimentos do prato com os utensílios das preparações”. Evidenciando que a contaminação dos alimentos não é exclusivamente responsabilidade dos manipuladores, uma vez que os manipuladores finais, ou seja, os consumidores também desempenham papel importante no processo analisado.Atualmente percebe- se que com o avanço industrial os indivíduos modificaram seu estilo de vida, principalmente em relação aos hábitos alimentares, passando a desfrutar menos da alimentação a domicílio, o que prova o aumento da demanda dos serviços de alimentação coletiva. O serviço self-service oferece opções de guarnição bem como carne, pratos (arroz e feijão), saladas, sobremesas, variedades em quantidade que satisfaça ao consumidor tem como objetivo mostrar o comportamento do mesmo ao se servir em balcões de distribuição de alimento. É comum nesse sistema de distribuição, como em restaurantes de autosserviço, os consumidores manterem o contato direto aos alimentos que estão exibidos no balcão, onde ocorre frequentemente a contaminação dos alimentos. O presente estudo tende investigar possíveis atitudes de riscos praticados por consumidores em sete restaurantes do tipo self-service no município de Picos-Piauí, realizado de forma exploratória com características descritivas e técnicas de observação não participante. Sendo este desenvolvido em três etapas: Na primeira, foi observada a lavagem das mãos pelos consumidores antes do autosserviço, com amostra de 458 consumidores. Na segunda, foi construída uma ficha de avaliação a partir da observação e definição das atividades de risco e na terceira, contabilizaram-se as práticas das atitudes de risco por parte dos consumidores. Através deste estudo permitiu-se identificar que os consumidores também desempenham papel importante no processo analisado ao praticar atitudes relevantes como “falar em cima das preparações”, “Levar ou colocar objetos no balcão de distribuição” e “Arrumar alimentos do prato com os utensílios das preparações”. Evidenciando que a contaminação dos alimentos não é exclusivamente responsabilidade dos manipuladores, uma vez que os manipuladores finais, ou seja, os consumidores também desempenham papel importante no processo analisado.

Author Biography

Natália Santos Luz, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ
NUTRIÇÃO - ÁREA SAÚDE COLETIVA

References

ALMEIDA, E.C. A. Influência do contexto de consumo sobre a qualidade percebida de alimentos consumidos fora de casa. 2006. 90p. Dissertação (Mestre em Agronegócios). Campo Grande: Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2006.

ALVES, M. G.; UENO, M. Restaurantes self-service: segurança e qualidade sanitária dos alimentos servidos. Rev Nutr, Rio de Janeiro, v. 23, n. 4, p. 573-80, 2010.

ANVISA. Cartilha sobre Boas Práticas para Serviços de Alimentação – Resolução nº 216/2004. Disponível em: . Acesso em: 01 de novembro de 2014.

ANVISA. Cartilha sobre Boas Práticas para serviços de alimentação, 2007. Disponível em: Acesso em 03 jun. 2015.

AVELAR, A. E.; REZENDE, D. C. Hábitos alimentares fora do lar: um estudo de caso em LAVRAS- MG. Org. Rurais & Agroindustriais, Lavras, v. 15, n.1, p. 137- 152, 2013.

BANCZEK, H. F. L.; VAZ, C. R.; MONTEIRO, S. A. Comportamento dos consumidores em self-service no município de Curtitiba. Rev. Bras. Tecn. Agroin., Ponta Grossa, PR, v. 4, n. 1, p. 29-41, 2010.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC n° 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Brasília: ANVISA; 2004.

CARVALHO, A. C. M. S; RICARDO, F. O; MORAES, M. P. Controle de tempo e temperatura na produção de refeições de restaurantes comerciais na cidade de Goiânia-GO. Demetra, Goiânia- GO, v. 7, n. 2, p. 85-96, 2012.

CHOUMAN, K.; PONSANO, E.H.G.; MICHELIN, A. F. Qualidade microbiológica de alimentos servidos em restaurantes self servisse. Rev. Inst. Adolfo Lutz, v. 69, n. 2, p. 261-6, 2010.

HENRIQUES, P., BARBOSA, R. M. S.; FREITAS, F. C. P. W. H; LANZILLOTI, H.S. atitudes de usuários de restaurantes “self-service”: um risco a mais para a contaminação alimentar. Cad. Saúde Colet., Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 266- 74, 2014.

HOBBS, B. C.; ROBERTS, D. Toxinfecções e controle higiênico sanitário de alimentos. São Paulo: Varela, 1999. 376 p.

FORSYTHE, S. J. Microbiologia da segurança alimentar. Porto Alegre: Artmed, 2000. 424 p.

JEVŠNIK, M.; HLEBEC, V.; RASPOR, P. Consumers’ awareness of food safety from shopping to eating. Food Control, v. 19, n. 8, p. 737-745, 2008.


MEDEIROS, L. B.; PEREIRA, L. C.; SACCOL, A. L. F. Atitudes de riscos dos consumidores em self- servisse. Rev. Inst. Adolfo Lutz, Santa Maria, RS, v. 71, n. 4, p. 737- 40, 2012.

OMS, ORGANIZAÇAO MUNDIAL DE SAUDE. Foodborne disease. 2001. Disponível em: . Acesso em: 23 de março de 2016.

PIGOTT. D.C. Foodborne illness. Emerg Med Clin North Am, v. 26, n. 2, p. 475-97, 2008.

PINEYURA, D.G.F. Regionalismo alimentar: identificação de grupos de consumidores que valorizam o prazer e as tradições alimentares. 2006. 117 f. Trabalho de conclusão de curso (Dissertação). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, 2006.

RODRIGUES, T.S. Restaurantes self-servisse: práticos e perigosos. 69 f. Monografia (Especialização). Brasília (DF). Universidade de Brasília, 2004.

SILVA JUNIOR, E.A. Manual de controle higiênico-sanitário em serviços de alimentação. 6 ed. São Paulo: Varela, 1995. p.10 a 303.

TEIXEIRA, S. A.; LUZ, N. S.; OLIVEIRA, E. S.; ALMONDES, R.S.; MONTE, C. A. M.; LUCENA, J.D.; BARROS, H.B. Investigação dos riscos ambientais e ergonômicos em restaurantes privados de um município do Piauí- Brasil., Rev Inter, Picos- PI, v. 8, n. 1, p. 123- 140, 2015.

TONDO, E. C; BARTZ S. Microbiologia e Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos. 1.ed. Porto Alegre: Sulina; 2011.

VERBENO, B.; GOMES, C. R.; FURTADO, C. R. S.; BRASIL, L. S. N. S.; MARQUES, S. S. F. Condutas de risco de consumidores em restaurantes self- servisse do centro comercial de Belém- PA, Belém- PA, 2008.

ZANDONADI, R. P.; BOTELHO, R. B. A.; SÁVIO, K. E. O.; AKUTSU, R. C.; ARAÚJO, W. M. C. Atitudes de risco do consumidor em restaurantes de autosserviço. Rev. Nutr, Campinas, v. 20, n. 1, p. 19- 26, 2007.
Published
2016-10-28
How to Cite
Luz, N. S. (2016). Análise das atitudes de risco de consumidores em restaurantes self servisse do município de Picos-PI, 9(3). https://doi.org/10.22280/revintervol9ed3.207